PETAR – Carnaval 2015: Relato e galeria de fotos

A001

Para muitos, época de festas, ocasião para jogar serpentina, confete.

São Pedro se diverte jogando água…

As cavernas e rios comemoram inundados, e nós dançamos com os planejamentos meticulosamente preparados durante semanas.

Os planos eram muitos, mas o nível elevado dos rios epígeos e hipógeos foram importante fator limitador.

Como nada é perdido, entramos no clima de carnaval e rebolamos pra criar alternativas.

No sábado alguns ainda estavam em trânsito, e os adiantados optaram por dormir até mais tarde e dedicar o dia para planejamento… Alguns no Pastel da Zeni e os mais ousados a percorrer longas distâncias seguiram para a Churrascaria do Abel, que felizmente mantém a característica de oferecer sempre comida boa com preço honesto.

Domingo, o clima se manteve estável, ou seja, não parou de chover, o nível dos rios em elevação, definitivamente abortamos os planos de continuidade da exploração e topografia no Sistema Areias.

A escalada para nítida possibilidade de conduto superior na Galeria Dia D, na Gruta Areias de Baixo, assim como continuidades na Gruta Areias de Cima, ficaram para a estação seca.

Também descartamos as atividades de prospecção na Serra da Onça Parda, Sistema Areias e por cima da Caverna de Santana.

Na Caverna de Santana o Rio Roncador estava bem elevado, turvo, eliminando qualquer possibilidade de ataque nas galerias do rio. A alternativa foi seguir para as galerias superiores de acesso seco, a fim de verificar possibilidades superiores.

Imagina-se que cavernas amplamente exploradas, com longo histórico, não possuam mais nenhuma continuidade.

Porém existe um fator técnico que faz uma grande diferença…

Iluminação e a respectiva evolução das lanternas de espeleologia!

As explorações da Caverna de Santana foram, em sua maioria, realizadas a base de luz de carbureto e quando muito com o auxilio de lanternas elétricas, que comparadas as atuais iluminações de LED, eram infinitamente menos potentes.

O esforço exploratório décadas atrás, e as incríveis conquistas dos exploradores pioneiros dentro das condições da época são sem duvida notáveis!

Hoje podemos dizer que a coisa é bem mais fácil, nem por isso, menos importante, a dedicação ao trabalho voluntário mantém a mesma chama romântica de “carbureto”.

Citamos como exemplo o Salão Pierre Martin, descoberto graças à potência das atuais lanternas. Sua existência era óbvia, seu grande volume observável da base da escalada, bastava apenas subir, o que não foi uma atividade exatamente tão simples como a sua visibilidade, demandou tempo, técnica e muita habilidade dos escaladores responsáveis pela conquista.

Sua existência passou despercebida pela equipe que poucos anos atrás documentou esse trecho em nossa atual retopografia, e talvez continuasse desconhecido se a sua base não fosse caminho para outra possibilidade de escalada, que, aliás, realizada posteriormente, não rendeu os resultados esperados. Faz parte, exploração é assim mesmo, um misto de alegrias e frustrações.

Voltando as galerias superiores de acesso seco, nossas teorias se comprovaram…

Seguimos observando detalhadamente todo o teto e laterais superiores dos condutos, identificamos várias possibilidades, mas no Salão São Paulo, campo base da Operação Tatus, realizada pelo Centro Excursionista Universitário, em 1975, uma cúpula no teto chamou muito a atenção.

De volta ao conforto noturno da casa no Bairro Serra, churrasqueamos e analisamos as topografias anteriores, confirmando nenhuma indicação dessa cúpula. Estava definido, seria alvo da próxima escalada!

Na segunda feira o tempo abriu mais firme, apenas uma leve garoa, e consideramos que seria um bom dia para prospectar, mas sem abusos e longas distâncias, afinal de contas os raios se fizeram presentes nos dias anteriores, e diante de qualquer indicio de chuva forte o abrigo do carro seria importante.

Assim optamos por andar por cima da Caverna de Santana, com a localização de várias dolinas, pequenas cavernas, abrigos e por fim uma boca de porte considerável, galeria em declive ampla, e uma visível curva. E depois da curva, nada, só desmoronamentos e nenhuma continuidade. Faz parte, exploração é assim mesmo, um misto de alegrias e frustrações.

Mas ainda assim foi uma descoberta interessante, denominada Gruta Noé, com desenvolvimento de aproximadamente 30 metros, desnível de 10 metros.

Terça-feira retornamos para a Caverna de Santana e rumamos para o Salão São Paulo para realizar a escalada.

Após 1 hora e meia de conquista, spits batidos, ancoragens, e segurança, alcançamos a cúpula observada dois dias antes.

Todos ansiosos…

Mas não foi dessa vez, a cúpula com uns 6 metros quadrados de área não possuía nenhuma continuidade.

Nem por isso nossa teoria vai por água abaixo, apesar das pequenas dimensões que lhe rendeu a denominação de Kinder Ovo, essa pequena sala é inédita, não representada em nenhum mapa anterior.

Faz parte… exploração é assim mesmo, um misto de alegrias e frustrações, grandes e pequenas descobertas.

Mas ainda existem possibilidades nessas galerias superiores, em breve!

Saímos da Caverna de Santana e uma equipe seguiu para verificar uma outra possibilidade de continuidade na Gruta do Morro Preto.

Precisa detalhar?

Faz parte… exploração é assim mesmo, um misto de alegrias e frustrações.

Estamos no aguardo da estação seca a fim de retomar as explorações verticais no conduto do Rio Roncador, com maior potencial. Questão de revezamento, em busca das alegrias, nem que sejam necessárias algumas frustações. 🙂

LOG sintético da atividade:

* 14 a 17 de Fevereiro de 2015

Iporanga-SP, PETAR – Núcleo Santana: Caverna de Santana (SP-041), Exploração Vertical e Documentação fotográfica. Gruta do Morro Preto (SP-021), Exploração. Prospecção na área externa acima da Caverna de Santana: Gruta Noé (SP-XXX), Descoberta, Exploração, Plotagem e Fotografia.

GPME: Alfredo Luiz Bonini (Alfredão), Carla da Costa Guimarães, Ericson Cernawsky Igual (OvO), Fábio Bustamante (Azeitona), Fernando Vergos Torres, Gilson Tinen (GilSan),  Marcia Akemi Yamasoe (Marcinha), Maurício Moralles e Patrícia Maria Montenegro Ortiz.

Participação: Mariane Ribeiro da Silva.

GALERIA DE FOTOS

A002

A003

A005

A006

A007

A008

A009

A010

A011

A012

A013

A014

A016

A017

A018

A019

A020

A021

A022

A023

A024

A025

A026

A027

A028

A030

A031

A032

A033

A034

A035

A036

A037

A039

A040

A041

A042

A043

A044

A045

A046

A047

A048

A049

A050

A051

A052

A053

A054

A055

A056

A057

A058

A060

A061

A062

A063

A064

A065

A066

A067

A068

A069

A070

A071

A072

A073

A074

A075

A076

A077

A078

A079

A080

A082

A083

A084

A085

A087

A088

A090

A092

A093

Leave A Comment

*